segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Crazy heart


Se quiser ver um puta filme, com uma trilha sonora perfeita e uma atuação das melhores do cinema, vejam "crazy heart"
O filme conta a história (fictícia) de um cantor country chamado " Bad Blake". Bad é uma lenda viva do country, mas é ignorado pela mídia, tendo de trabalhar arduamente para sobreviver. Bad é alcoolatra, e teve cinco casamentos, dos quais ele prefere não falar nada, mas quando conhece uma jornalista ele volta à amar e encontra um sentido na vida miserável que levava.
Tem uma fala do filme que é comovente e explica mais ou menos o porque de seu estilo de vida. A jornalista fala que não conseguiria viver sem o filho, Bad responde: o pior é que você vive...
Resumindo, veja o filme, é foda, um dos melhores que vi ultimamente e Jeff Bridges tem uma atuação que na minha opnião é uma das melhores do cinema junto com o lutador de Rourke e Don Corleone de Brando

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Povo burro

Decidi sair hoje, andei por toda a quadra. O homem é um animal interessante, aqui e ali vemos a mesma coisa. Em todos os cantos e esquinas existem homens e mulheres , todas preocupadas em correr para pegar o ônibus, para pagar a conta, o crediário da televisão gigante da sala ou até para chegar em casa e não fazer nada. Aqui e ali vemos uma velha acendendo um cigarro barato, ou um pedreiro olhando a mulata passar, ou até uma garota de 12 anos no celular pensando que sua vida é extremamente complicada.
Mendigos pedem dinheiro para o crack, e grandes advogados negam falando que não vão dar dinheiro para drogas, mas saem correndo para comprar um cohiba e o uísque do dia. Hipócritas censuram os outros e voltam pra suas masturbações mentais , tentam à qualquer custo viver uma ilusão de subúrbio norte americano. Revistas de fofocas discutem o divórcio dos "famosos" e o pay per view do "BBB" é vendido às toneladas para a população .
Impostos cada vez mais altos para alimentar os bolsos de déspotas que deixam cair migalhas para o povo, e o mais revoltante, o povo aplaude de pé. Não sou lá ninguém para julgar o outro, mas cada vez mais procuramos o que não presta nesse país, cada vez mais confiamos em déspotas que fazem a manutenção da política do pão e circo, uma herança romana . Mas o povo aplaude... fazer o que?!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Não vale porra nenhuma

De que me valem poemas de amor
Se meu amor, esqueceu de ler?

De que me vale escrever
Se minha musa prefere esquecer?

De que me vale chorar
Se ela está sorrindo lá?

De que me vale esquecer
Se não vai adiantar?

De que me vale tentar
Se não tenho chance?

De que me vale deitar
Se sonhar é uma merda?

De que me vale dormir
Se ela não virá?

De que me vale uma noite
Se todas eu posso roubar?
Manutenção

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Solidão distante

E aqui rola a vida
Uma cerveja gelada
Um cigarro recém enrolado
E uma puta saudade daquele olhar

Estou cansado
Não a vejo faz tempo
E aqueles braços
Abraçam outro

Estou triste
Ela provoca
Mas não me dá chance

Mas tudo bem
Meus cigarros frescos me acompanham
Junto com a cerveja gelada na noite quente

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Desabrigado

Todos os olhos vidrados
As víboras lançam veneno
Não acreditam no pobre menino
Não entendem o mundo pequeno

Meus versos fracos
Sem força de vontade
Sem mentiras
Só verdades

Minha Musa confusa
que não entende meu lado
Que lembra com dúvidas da cama
E não sabe o que é certo ou errado

Minha Musa santa
Que não fala mais comigo
Não responde meus pedidos
Seu coração me negou abrigo

sábado, 15 de janeiro de 2011

quero um amor certo
sem rodeios
sem loucuras
apenas viver direito

Quero a sorte de uma vida boa
sem traumas ou ajustes
sem nada que me amole
Com amores mais simples

Quero o amor da minha vida
sem dividir com ninguem
sem ter que mudar
queria apenas que fosse simples assim

Quero ser diferente de agora
aceitar a vida como ela e
e nao querer mudar nada
quero ser feliz enfim

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Volto logo

Eu volto antes do fim de sua vida.
Não esqueça de mim...
Passei pela porta e apresentei meu passaporte. Ela ficou por lá, não chorou, não exibiu sorrisos, nada. Engoli em seco e segui pela polícia encaminhando-me ao avião. Ela não se moveu, permaneceu ali sozinha e calada sem esboçar sentimentos nem reações.
Fui-me embora. Não volto tão cedo

Dignidade

Vimos essa semana alguns fatos no mundo do futebol. Como todos bem sabem sou tricolor doente, Fluminense fanático. Vimos essa semana dois casos ridículos não curiosamente ocorridos no flamengo, conhecidamente um time de merda, com o perdão de todos torcedores desse pulgueiro.
"Ronaldinho Gaúcho" é um merda. Um moleque que não tem o mínimo de caráter. O time que o criou disputará a copa libertadores e o infeliz recusa-se à ir para casa. Todos vão falar que tenho inveja ou algo do gênero, mas porra nenhuma, é apenas o pensamento de um homem, porque homem não faz isso, só moleque.
Aquele outro que de fato ,como já falei para muitos amigos jogou muita bola na libertadores, mas que é outro moleque filha da puta. Na primeira oportunidade que teve saiu do clube que o projetou para o mundo, como era de se esperar se fudeu e voltou seis meses depois ovacionado pela parte imbecil da torcida tricolor. Atitude desprezível reforçada pouco tempo depois quando voltou ao futebol árabe depois de não jogar porra nenhuma pelo Flu. Agora ele fecha contrato com o principal rival tricolor e ignora todas as torcidas, a tricolor e a mulambada...
Posso estar errado , iludido, não sei, mas comigo o dinheiro não compra dignidade e honra, ja com eles , compra até a bunda.

Ninfa distante

Na flor mais linda
Do mais belo cacto
Criou-se a ninfa
Que invade meu quarto
E resolve que tudo
Era mero descaso

Vem-me com fotos
Infantis, desavisadas
Não me mostra mais nada
Não me dá um abraço.

Sorriso alegre,
O mais sincero do mundo
Sorriso verdade
Diferente de tudo

Nunca vi minha musa,
Apenas ouvi falar
Mostrou-me fotos de longe
Lançou a sorte no ar

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Conversa de corações partidos

Em alguma esquina suja do Rio de Janeiro de Madrugada:

Oi, Tudo bem com você?
Quem é você?
Desconhecida, te vi muito quieto, meio cabisbaixo, está tudo bem?
Já respondi que sim...
Desculpa, não vou mais perturbar, não precisa ficar nervoso!
Perdão, não foi minha intenção, estou meio nervoso, meio confuso, mas tudo bem...
Confuso com que?
Com a vida em geral, não sei dizer...
Mulher!
Na verdade... é
Sempre é , eu entendo.
São todas umas vadias! Perdão...
Hahaha relaxa
Mentira, não são, nós que somos uns babacas mesmo
...
Mas o que você está fazendo aqui à essa hora, e conversando com estranhos?
Não sei, estava num bar ali perto com uns amigos, me entediei aí te vi e vim aqui ver se estava tudo bem...
Ah... brigado! Você fuma? (puxa um cigarro)
De vez em quando.
Aceita um?
Claro!
Meio forte...
É, "gosto de cigarros que me queimem a garganta!"
Hahahaha entendo.

Minutos de silêncio

Então, qual é o nome dela?
Que?
O nome, dela
Não é importante
Claro que é, se não fosse eu não estaria perguntando!
E se eu mentir o nome, como você saberá se é verdadeiro ou não?
Se você mentir é você quem perde
Digamos que eu queira correr o risco...
Escolha sua!
É, escolha minha...

É Júlia!
Não acredito.
Juro
Não ligo, não acredito.
Não tenho provas, mas juro que o é!
Não acredito...
O que faria você acreditar?
Um beijo
Beijo?
É, beijo! Boca na boca com línguas e mãos na minha bunda, acaricia meus peitos, me ama por segundos com intenções luxuriosas , e por aí vai, um prenúncio para o sexo...

Beijo Longo

E aí, o que mudou você sabendo?
Nada, eu só estava curiosa!
(Sorri de canto de boca)
Consegui arrancar um sorriso!
Haha, é, você é boa! Qual é o seu nome?
Não sei
Sério!
Não falo!
Por favor, eu lhe falei o nome dela ,cumpri suas exigências...

Ela traga fortemente a ponta do cigarro, lança-o longe e fala se retirando:

Meu nome é Júlia!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Pico da saudade

Não lembras daquela praia?
Onde desbravei mares nunca dantes navegados
Vi olhos que ninguém jamais viu
E lhe consolei o amor perdido

Não queres lembrar,
Eu sei, já falastes
Mas eu gosto de viver das lembranças
De uma madrugada feliz

Maldito

Eu estou esperando uma voz
Um sopro de mentiras descaradas
Eu espero sentado, parado
Me estragando pela vida
Com bafos podres
Com vadias vazias
Sem ganhos , sem nada
Tenho que aturar inúteis falando
Sem parar um segundo
Falando merda,
Ouvindo esterco
Vômitos lançados na minha cara,
Maldita sorte dos infernos
Não tenho ar
Não tenho terra, nem mar
Não tenho musa para minhas poesias
Elas estão todas amando outros
Estão todas fodendo agora
Preparando o almoço
E lendo minhas poesias malditas
Malditas poesias...
Minha única maldita companhia

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Salto onírico


Com todo zumbido
Intenso rebuliço
E garrafas jogadas ao chão
No caos, na lama
A princesa renasce da cama
Procura seu trono real
E descobre que é tudo um sonho

A princesa indignada não obedece às ordens
Diz-se mais importante
Que não obedece mandantes
E jamais seria subordinada
Então vai embora.

O sonhador se revolta
Reclama nas pequenas causas do céu
Busca de todas as formas
Exige o retorno da musa
Que coloria seus sonhos sombrios
Quer de volta sua Femme Fatale
Seu noir agora é incompleto

No desespero do dia acordado
Sem a noite com ela
Sem seus sonhos de ópio
Sem a mentira que o mantinha vivo
Não tem mais sonho, não tem mais vida
Será que sabia voar?
Parece que não havia aprendido ainda

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Vida real

Não sonho com mais nada,
Meus olhos cansados se fecham
Levam-me à sonhos ébrios
Em que posso ter seus braços
Posso sofrer sem culpa
E não ter de explicar minha lágrima
Sem ter porra nenhuma
À não ser a mentira
Pílula azul maldita
Prefiro a ilusão , prefiro fingir ser feliz
Prefiro a mentira à vida real.

E qualquer voz
Que fale aos ouvidos,
Que me diga para esquecer, seguir em frente
Não escuto nenhuma,
Por bem ou por mal ignoro
Permaneço na paranóia amorosa
Continuo o masoquismo sentimental
Que me é habitual
Permaneço chorando pelos cantos
Pertubando ouvidos inocentes
E sacrificando papéis e canetas
Na esperança de transformá-la
Na mais bela poesia

Não me leve à mal
Não quero seu sexo , apenas
Não quero seus olhos como troféu
Não quero seu nome no mural
Eu quero apenas você
Sem maquiagens, sem enfeites
Sem confetes e amarras
Apenas seus olhos marinhos
E cabelos prateados
Só assim curarei minha loucura
Só assim não terei mais pecados

Apenas faça como eu,
Não escute os humanos
Deixe-se morrer
Para enfim começar à viver
Sem medos ou receios
Sem paranóias ou recados
Deixe-se viver, depois pense na morte
Pois aqui é onde moraremos
No país maravilhoso dos meus sonhos
Em que tudo dá certo
E meros dubladores não dão pitacos
E receosos não são fracos
Abra seus olhos e não tente entender
Deixe-se na vida do momento florescer.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Versos de despedida temporária

Minha biblioteca está desorganizada
Meu filme não tem mais a protagonista
minha arte perdeu a musa
E não tenho mais minha vista para o mar

Não tenho notícia certa
Não tenho nada

Minha fumaça esvai-se na chuva
Meus olhos aumentam
Eu perco o sim e o não
Perco o real e o sonho
Nesse vai e vem de merda.

Vem e fica
Ou ao menos vá e não volte nunca
Pelo menos o choro é um só na porrada

Enquanto não decide não mande recados
Não olhe minha janela
Não me lembre do brilho que tinha nos olhos
Quando te dei meu amor
O que segundos depois, rejeitou
Como se não existisse nada

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Fingir não ver

Fazer de que

Trocar você
Por quem já foi
Confusão
Excursão
ilusão

Perder a mão


Esperança!!!!

Praia Rasa

Darvin

Numa manhã de verão naquele mesmo lugar
Você sentada na areia e eu olhando o mar
Tudo o que eu podia ali fazer era lembrar
12 horas se passaram então pra que sonhar?

Pouco tempo tudo muda não dá pra tentar
Nada mais é colorido e nem nada será
Pois tudo então, tudo se acaba tão devagar...

Tudo passou tão depressa e logo se acabou
Foi tão bom o jeito como você me beijou
Um dia tão diferente tudo agradou
Aqueles poucos momentos que a gente passou

Pouco tempo tudo muda não dá pra tentar
Nada mais é colorido e nem nada será
Pois tudo então, tudo se acaba tão devagar...

Todos aqueles momentos que a gente passou
Não consigo esquecer como você beijou
Pois tudo mais, tudo ficou pra trás se acabou...

música aqui


(ps: favor não me matar por ouvir darvin)

domingo, 2 de janeiro de 2011