segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Sei lá

Sei lá
Bate uma vontade de voar
De sair
Deixar-se levar no mar

Sei lá
Talvez um porre
Um gole
Até não conseguir levantar

Sei lá
Bate um medo
Um choque
E se não for pra rolar?

Sei lá
Queria não pensar
Sumir
Deixar pra lá

Sei lá
Não queria saber
Sei lá
Talvez só esquecer de lembrar

Sei lá
Às vezes é preciso razão
Mas, sei lá
Também é preciso emoção...

Sei lá,
Sei lá

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Flores mortas

Seguiu os anos
As flores caíram
Não olhei,
Evitei o que pude
Chorei por noites
Lágrimas de sorrisos
Que largaram-se
Ironicamente sofrendo
Com a dor alheia

As flores caíram ,
Propus o pecado
O auto flagelo,
Revi um filme batido
Que passou tantas vezes
Mas mesmo assim não entendi
E revejo sempre que posso
Me atento aos novos detalhes
Às suas atividades no quarto
Do jeito que vira os olhos

Inverno batido
De flores mortas
Sem vida, sem nada
Revira o lixo
No vômito de ontem
Que cheira a podre
E corrói o estômago
Precipita na pele
Precipita nos olhos

Jardim florido
De flores mortas
Deixadas caídas
Jogadas de lado
Num poço de ego
Cheias de merda
Adubam o solo
Criando terreno
Feliz triste

Outras flores aparecem
E eu as arranco
De todos jardins
E eu as acumulo
Num jardim morto
Com flores mortas
Deixadas à vida
Caídas no Lago
Largadas na vida

E meu Jardim morre a cada dia
Com as flores vindas
De outras partidas.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Passou ao meu lado sorrindo
Seu olhar baixo me focou
Por favor, fale! 
A voz tímida impôs-se
As idéias correram 

O ar infantil me percorre
Um fogo no peito me arde
Sinto a voz gritando por dentro
Correndo,
Torcendo !

"Já vou, moro longe"
Falou
Me procure
Completou
Procurei

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Seus olhos gigantes brilham
E meus sonhos tomam sentido
Quando acordo feliz sorrindo

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Bom te ver

O barulho da noite
Cervejas rolavam do chão
Meu cigarro queimava lento
Um fim de noite calmo esperando
Então ela me olha, me chama
Confuso encontro seus olhos
Seu sorriso sincero,
Onde aprendi a felicidade
Um susto,
Trocamos palavras vazias
Exclamações de surpresa
Encorajadas pelo tempo.
A pressão cai,
Meus olhos viram
Não aguento a tortura
Sento antes de desabar
Ela pergunta se esta tudo bem
Minto descaradamente
Reviro os olhos
Levanto e cansado da espera
Dividimos um taxi
Um único beijo
Uma voz doce e calma
Foi bom te ver,
Se cuida!