quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Vida de cabeça para baixo

Ela desceu a rua pensando se valia à pena tudo aquilo, se realmente era daquele jeito. Preferiu não se importar muito e acendeu um cigarro na noite escura. A Única luz era a da brasa de seu cigarro e da luz no fim da rua que indicava a direção que deveria ir.
Ela terminou seu trajeto até sua casa e deitou-se no sofá e ficou apenas olhando o ar que parecia estar pesado e raro demais. Queria apenas sentir o ar entrando em seus alvéolos , queria sentir a transferência dos gases, queria sentir-se viva. Acendeu outro cigarro e deitou-se de cabeça para baixo fumando. Apenas permaneceu ali por alguns minutos enquanto fumava lentamente o cigarro .Não havia muito à ser feito, era madrugada, ela está só e na televisão não passa nada que preste
Restou apenas fumar e dormir de cabeça para baixo.

Um comentário:

  1. É o risco de uma vida viciada na dúvida.
    Voltarei mais vezes.

    ResponderExcluir